O Círculo (The Circle – 2017)

Semana passada assisti O Círculo, com Emma Watson, Tom Hanks, Patton Oswalt, John Boyega, Bill Paxton (RIP) e Karen Gillan. A trama gira em torno de Mae (Emma Watson) que vai trabalhar na gigante firme tecnológica Circle e aos poucos vamos descobrindo junto com ela qual é a real agenda que a empresa quer empurrar para todos.

O Círculo (The Circle - 2017)

Eu achei o filme razoável. Não é sensacional na categoria thriller, porque em nenhum momento eu fiquei na beira do assento, mas como drama ele se encaixa bem. A trama é okay, e na minha opinião poderia ter sido mais bem aproveitado, mas o problema que eu senti é que o filme saiu flat, sem alma, os personagens tem pouca profundidade e eu me vi ligando muito pouco para o que ia acontecer. Igualzinho quando entro no Instagram ou Facebook… Há-há!

É claro que o filme faz um comentário social sobre as mídias sociais e como elas podem ser usadas até o extremo, e mesmo que uma idéia seja boa “no papel” não quer dizer que nós sapiens estamos aptos a fazer o melhor uso de tal tecnologia. O mais bizarro é ver, mesmo na ficção, o quanto as pessoas estão dispostas a dividir online. Sim, eu percebo que estou dividindo minha opinião num blog na internet, mas vamos lá, até os dados médicos? Imagine toda sua vida, em detalhes, caindo nas mãos erradas? Muito assustador e creepy

Talvez o filme tenha mesmo esse “acabamento” sem alma e raso propositalmente, pois é assim como as mídias sociais de hoje em dia, e neste aspecto o diretor com certeza atingiu seu objetivo, porém com um pouco de exagero já que acaba por afastar o telespectador. Ou pelo menos eu.

Enfim, o filme não é péssimo, mas mesmo assim não recomendo caso tenha outra opção, mas se não tiver, não vai ser a pior experiência da sua vida.

Dando um tempo do Twitter

Eu adoro o Twitter. Sigo pessoas legais e interessantes dos mais diversos meios e quase sempre me deparo com coisas bacanas.  Mensalmente faço uma limpeza na conta, sigo gente nova, páro com aqueles que parecem disco riscado e assim vai. É divertido e pode ser informativo, mas infelizmente percebi que 1) estou perdendo muito tempo no aplicativo e 2) muitas vezes estraga meu humor. Muita coisa ruim ganhando destaque e coisas boas passando desapercebidas. Fora que, como falei, tem aquelas pessoas queridas que parecem um disco riscado. Sempre o mesmo tópico e nunca com uma solução para o problema.

Para poder manter a nossa sanidade mental é preciso dar uma relaxada de vez em quando. Olhar coisas diferentes, ouvir coisas diferentes, dar umas boas risadas e tentar manter a esperança de que podemos sim mudar o mundo. Ficar só na reclamação, dia sim, dia também não vai resolver nada.

Dando um tempo do Twitter

Tem uma coisa que o Gandhi, a madre Teresa ou Thich Nhat Hanh, (não me lembro bem quem, sorry) falou uma vez que eu achei muito bom e desde então eu transformei em frase da vida. Ela é mais ou menos assim: “não me chame para fazer um protesto contra a guerra, me chame para fazer um protesto a favor da paz.” Parece a mesma coisa, mas a diferença é que quando vamos para o lado positivo, em busca de mudança, conseguimos atingir aqueles que pensam como a gente, mas que acham que estão só, e assim eles podem se juntar a nós. Prá que ficar gritando com aqueles que não querem ouvir, que não querem entender? Baita energia jogada fora, ainda mais nestes dias nebulosos em que certas pessoas fazem questão de não entender…

Enfim, o que eu queria dizer é que infelizmente no momento estou sentindo que o Twitter esta muito semelhante a câmara de eco que é o facebook e que posso empregar minha energia em locais melhores e de maneira mais positiva. Então vou tirar um summer break do Twitter. C u soon.

Cheers!

Google says: Seu site foi hackeado!

Pois é, aquilo que todos nós que temos websites, fazemos ou criamos websites tememos finalmente aconteceu comigo. Em parte foi mea culpa: deixei alguns blogs e fórum sem atualização, o que facilita bastante a entrada de scripts maliciosos que comprometem todo o site e os sites vizinhos.

Foi menos dolorido do que eu imaginei, pois não tiveram chance de se proliferar, e usei o feriado para fazer uma faxina completa: limpa nas databases, deletando blogs desativados, assim como domains inativos, movable type e phpBB datados e update em todo Mordpress, assim como faxina de plugins e instalação de algumas ferramentas para dificultar a injeção de scripts maliciosos.

Depois de todo trabalho, senti uma doce nostalgia dos tempos de blog e resolvi escrever um pouquinho, ver se ainda tenho jeito pra coisa. Infelizmente parece que blog bom é blog morto, como disse alguém no twitter. Em tempos de ADHD, buzzfeeds da vida onde toda info é mastigada e regurgitada na boca dos leitores em 30 segundos ou less e Twitter, que eu gosto e uso para seguir gente interessante, mas onde a meta é falar pouco, mas o fazer milhares de vezes ao dia, sei que estou, definitivamente, na contramão.

Mas quer saber? Lembrei quando fiz meu primeiro “blog” por volta de 1997, quando nem mesmo o Blogger existia e eu escrevia meu diário virtual a unha, no html e hospedado, se não me engano, no Geocities pré Yahoo (quem ainda se lembra das neighborhoods?), e lá trás, minha meta era simplesmente fazer algo que eu sempre gostei de fazer: escrever, sem pretensão de público, pra eu mesma e pra catalogar as coisas que eu gostava e achava “surfando na net”. Então, é com essa idéia que resolvi retomar. Sem pretensão nenhuma, e somente enquanto me trazer prazer.

Netflix no Brasil!

Que alegria! Usuários brasileiros já podem se inscrever no serviço e o primeiro mês é grátis! Que maravilha! 😮 Para quem não sabe, o Netflix é um serviço que oferece videos online (legalmente!) para você assistir no seu computador e o preço vai estar na casa de 15 reais por mês. Imagine!! :amor:

Estou contente demais!

Lion?

Um amigo instalou Lion e esta todo prosinha. Eu vou esperar. Primeiro porque não sei se gostei da novidades (múltiplos desktops? hm) e segundo, estou porraqui das presapadas ideológicas da apple e cada vez esta  mais pensando em não dar meu suado tutu a cia. Quando meu iphone falecer, vou provavelmente comprar um celular qualquer, non-apple. E quando as tablets estiverem mais avançadas, também vou buscar uma alternativa. De computador, vou espremer até o último suquinho antes de ter que comprar um novo, exatamente como foi o antigo iMac: faleceu o bichinho depois de 5 anos de uso intenso. Este tem que durar mais uns 5. Tô pouco ligando que 5 anos sejam 20 em termos de tecnologia: enquanto servir bem as minhas necessidades, tá excelente. Esse lance de cair no compra-compra-troca-troca, nova tecnologia a cada 3 meses só para você ficar infinitamente enfiando a mão no bolso ou se sentindo um tonto por não ter o úrtimo gadget do momento, essa época passou. Veja por exemplo minha xBox: 2 anos depois do RRoD, ainda esta de pé, se bem que com um pequeno ventilador colocado na traseira para não esquentar demais. Funciona e isso é que importa. 😉