Barely Famous (TV 2015- )

O show Barely Famous (Quase Famosas) vai voltar com a 2¬™ temporada dia 29 de Junho no canal VH1. Yay! 💞 Estou contente porque √© um programinha engra√ßado que eu gosto de assistir quando estou num humor mais descontra√≠do.

Barely Famous

O programa é sobre as irmãs Foster, Sara e Erin, filhas do reputado compositor David Foster, que é padrasto de Brody e Brady Jenner (aqueles filhos de Cait Jenner, que são também half-brothers de Kylie e Kendall Jenner) de um casamento, e de Gigi e Bella Hadid de outro. Ou seja, esta todo mundo super bem conectado.

Barely Famous √© uma par√≥dia sobre os shows de realities, onde as irm√£s fazem gra√ßa da vida das sub-celebridades, no caso elas mesmas, assim como da loucura que √© viver em Los Angeles: o ego, a fama, os outros famosos, a moda, as cirurgias pl√°sticas e aquelas pessoas que s√£o “celebridades”, mas n√£o sabemos muito bem o motivo (famous for being famous).

Algumas pessoas n√£o entenderam que o show √© par√≥dia e ouvi gente criticando “saco, mais uma reality show”, o que n√£o √© o caso. Inspirado em programas como The Larry Sanders Show, Barely Famous tem a cara de Hollywood e rendeu algumas boas risadas de momentos absurdos, mas nem por isso menos realistas, alguns inclusive muito similares a situa√ß√Ķes que j√° presenciei.

Recomendo para quem curte comédia leve e descomprometida. Você não vai aprender nada, nem vai fazer sucesso na roda de amigos quando dizer que esta assistindo Barely Famous, mas vai dar algumas risadas das coisas bisonhas que só a pseudo fama consegue fazer com as pessoas.

O Povo versus O. J. Simpson

O Povo versus O. J. Simpson (American Crime Story РThe People v O. J. Simpson). Comecei a assistir esta série sem muita expectativa e que surpresa, fui fisgada. Tá, eu sou uma sucker por seriados que retratam crimes reais, e estou achando este realmente MUITO bom. Ajuda um pouco que eu lembre do alvoroço ao redor do caso, mesmo não tendo acompanhado de perto. De qualquer maneira, é interessante ficar sabendo dos tidbits e da backstory que influenciaram tanto o resultado.

O Povo versus O. J. Simpson

Eu tenho certas lembran√ßas marcantes: O.J. fugindo no Bronco branco e de como aquilo foi televisionado ao vivo para o pa√≠s inteiro; ver o rosto de Marcia Clark nas capas dos tabloids que ficam ao lado dos caixas nos supermercados e de Kato Kaelin, que por algum motivo estava toda-hora-todo-santo-dia no notici√°rio. Mas era 1994, eu era jovem e estava mais preocupada em viver minha nova vida em NYC do que seguir julgamento de celebridade… Mesmo assim, sabendo o b√°sico sobre o caso e das provas (a luva, o sangue no carro dele), eu tinha certeza que O.J. era culpado.

Hoje sou mais cuidadosa ao desferir julgamentos de inocente ou culpado pois sei que a lei √© falha e √© sempre bom lembrar que “a pessoa √© inocente at√© que seja provado sua culpa”. mas confesso que mesmo aceitando as poss√≠veis “liberdades po√©ticas” que acontecem quando um caso real √© televisionado, ainda tenho dificuldade em acreditar na inoc√™ncia de O.J. Simpson.

Quase desejo que certas partes sejam mesmo “liberdade po√©tica” dos criadores, porque olha, que caso mais fucked up e dif√≠cil de engolir. Erros graves dos promotores de um lado, a press√£o absurda e o machismo em cima de Marcia do outro (o cabelo, cara, at√© o cabelo dela critiaram!), falta de objetividade de todo mundo e claro, a media totalmente ensandecida.

O que muito me entristece são as vítimas que ficaram de figurantes e os parentes que não viram a justiça ser feita, nem com um julgamente correto e veredito que colocasse O.J. atrás das grades ou caso ele não seja o culpado, ou com uma investigação que levasse até o culpado.

Ryan Murphy, produtor de Glee e American Horror Story, acertou em cheio mais uma vez. A produ√ß√£o do seriado esta excelente na recria√ß√£o dos anos 90, assim como est√£o de parab√©ns os autores que adaptaram o livro de Jeffrey Toobin, The Run of His Life : The People versus O. J. Simpson. A atriz Sarah Paulson esta fant√°stica e consegue transmitir tanto s√≥ com um olhar e a atua√ß√£o corporal que n√£o vou ficar surpresa se ela for indicada ao Emmy. Courtney B. Vance, que interpreta o advogado de defesa Johnnie Cochran tamb√©m merece um Emmy, pois esta fenomenal: na maior parte do tempo eu tenho vontade de estrangular o cara, mas em alguns glimpses fora do tribunal eu consigo ver de onde todo aquele drive esta vindo… David Schwimmer (de Friends) faz o papel de Robert Kardashian, o melhor amigo de O. J., que por acaso √© o pai das Kardashians.

Enfim, O Povo versus O. J. Simpson é ótimo, mesmo que dê muita raiva em certos momentos. Acho que vai ser um daqueles seriados que vão ficar na história. Super recomendo!

Los Angeles circa 1950

Esses cart√Ķes postais de Los Angeles nos anos 50 me fazem pensar no seriado de Stephen King que estou assistindo, 11.22.63, onde o professor de ensino m√©dio Jake Epping viaja no tempo para tentar impedir o assassinato do presidente John F. Kennedy. Por√©m sua miss√£o √© amea√ßada pelo pr√≥prio passado, que n√£o “quer” ser alterado. A s√©rie √© boa, mas n√£o a melhor coisa que j√° assisti envolvendo viagens ao passado.

1950s Los Angeles

Utopia (2013- )

Estava pesquisando s√©rias boas para assistir, destas que n√£o registram no radar e a gente nem sabe que existe e acabei descobrindo Utopia, que me deixou curiosa. A s√©rie √© sobre um grupo de pessoas que frequentam um forum online sobre um comic-book cult e misterioso, e quando conseguem o segundo volume que ainda n√£o foi publicado e que parece prever terr√≠veis desastres, o grupo come√ßa a ser perseguido por uma organiza√ß√£o implac√°vel conhecido apenas como ‘The Network’.

Utopia

Surpreendentemente interessante. Atua√ß√Ķes excelentes, fotografia intrigante com seu contraste de cores e trama com boas surpresas. √Č ultra violento e isso pode perturbar alguns, mas se isso n√£o for empecilho, eu recomendo.

Para saber mais, visite a pagina de Utopia no IMDB.

True Detective, 2nd Season (2015) – II

Estava relendo o que escrevi sobre a estr√©ia do True Detective – IMDB em Junho e tenho que admitir que a partir do 2¬ļ epis√≥dio, a s√©rie melhorou. Se a estr√©ia tivesse sido a 2 hours special eu provavelmente teria criticado menos.

Ainda acho que não é tão bom quanto a 1ª temporada, mas isso tem muito a ver com a química entre Matt e Wood que fizeram um trabalho excelente com seus personagens e claro, a total falta de expectativa que eu tinha.

True Detective Season 2 Opening Wallpapers [1920×1080]

Mas enfim, a trama desta temporada melhorou. Continuo adorando as “refer√™ncias” a David Lynch e autores noir como James Ellroy e Raymond Clandler. A cinematografia √© muito boa e fico contente em n√£o usarem loca√ß√Ķes t√≠picas de LA. At√© mesmo os shots constantes das freeways desapareceram. Por√©m minhas cr√≠ticas n√£o mudaram muito: tem material interessante n√£o explorado e muitos personagens que acabam diluindo o que eu realmente queria ver. Com metade dos personagens eu teria mais intimidade com Ani e Velcoro, que na minha opini√£o s√£o o carro chefe da temporada. Woodrugh n√£o √© interessante o suficiente e a todo momento eu acho que Frank vai chorar ou soltar uma piada sobre peido. Vince parece n√£o conseguir se perder no personagem e eu consigo lembrar dele em outros pap√©is frequentemente.

Outra coisa que não curto são as conversas de Frank com os outros, usando um vocabulário rebuscado que não faz sentido. Sei que faz parte da personalidade do personagem, ele não é um criminoso comum, mas é tão sutil como uma tijolada na cabeça.

Enfim. Estou feliz que a séria tenha melhorado, mas ainda vejo muitos defeitos para me declarar apaixonada como fiquei pela 1ª temporada.

Fortitude, 2015 (Sky Atlantic)

Fortitude √© uma s√©rie que de cara me conquistou pela beleza das suas paisagens e pela possibilidade de ser diferente de tantas outras que eu j√° assisti. A premissa √© √≥tima: Fortitute, situada √° beira do C√≠rculo Polar √Ārtico, √© um lugar como nenhum outro na Terra. Rodeado pela beleza selvagem da paisagem polar, a possibilidade de um futuro brilhante, e sua promessa de oportunidade e riqueza, Fortitude √© uma das cidades mais seguras do mundo. Nunca houve um crime violento aqui. At√© agora.

Fortitude

Os primeiros cap√≠tulos conseguiram me agarrar, mas aos poucos fui me desinteressando pelo que estava acontecendo, e depois de assistir ao √ļltimo epis√≥dio da temporada, me decepcionei mesmo. Senti que o final foi um pouco apressado e mais interessado em deixar a gente curioso para saber o que vai acontecer na 2¬™ temporada do que realmente fechar o arco de alguns personagens. Sei que os cliffhangers s√£o normais e at√© mesmo esperados em final de temporada, mas n√£o curti como foi feito. Tamb√©m n√£o curti, durante toda s√©ria, aqueles momentos chavequeiros onde voc√™ n√£o acredita que √© aquilo mesmo que esta vendo, como no meio de uma crise o policial n√£o falar para sua esposa e prefeita sobre o que aconteceu com a escavadeira e ela n√£o falar sobre as presas dos mamutes. C’mon! Enfim. Talvez eu assista aos primeiros epis√≥dios da 2¬™ temporada, mas confesso que n√£o estou muito animada.

Mad Men, (2007-2015) AMC

Domingo √© dia de Mad Men e Game of Thrones. Como j√° assisti os primeiros 4 epis√≥dios de GoT (depois escreverei sobre isso), posso me dedicar exclusivamente a Mad Men, que por sinal est√° na sua √ļltima temporada.

Mal posso acreditar que ano que vem não teremos Roger Sterling, um personagem que me cativou aos poucos e hoje é um dos meus preferidos. Mas depois de 7 temporadas, chegou a hora. Ouso dizer até que passou um pouco da hora.

Mad Men √© um show excelente em v√°rios os aspectos: roteiro, fotografia, dire√ß√£o, atores, set design, etc, mas pra mim, pessoalmente, j√° n√£o consigo sentir empatia com grande parte dos personagens. √Č como se eles fossem aqueles amigos que depois de 7 anos a gente percebe que n√£o quer mais ter como amigo. Com excess√£o do Roger Sterling, que fez a rota contr√°ria. Don Draper, por exemplo, n√£o vai mudar sua maneira de ser, j√° entendemos como ele √© e quem ele √©, e estou no ponto de dizer whatever. Sally ainda surpreende em alguns momentos, assim como Joan, se bem que esta parece estar no caminho para se tornar uma mulher amarga.

De qualquer maneira, n√£o criei nenhuma expectativa sobre como deve ser o final. Acredito que vai seguir a linha do show e ser nos moldes “vida real”.

Vai deixar saudades, mas estou feliz porque vai acabar.

Mad Men

Em tempo: veja as ilustra√ß√Ķes de Dyna Moe inspiradas em Mad Men. S√£o sensacionais!

Ah n√£o…

Semana passada terminei a 3¬™ temporada de Borgen. Hoje fiquei sabendo (espero que seja apenas rumor) que a s√©rie n√£o ser√° renovada. Noooo! Como vou fazer sem assistir Birgitte e suas manobras excelentes? ūüôĀ

Mas faz sentido, pois o √ļltimo epis√≥dio teve um ar de fim: been there, done that, now is time to do something different kind of way. Gostei muito da temporada, o show √© excelente e vai deixar saudades. Sempre me pergunto por que √© t√£o dif√≠cil fazer um show bom assim aqui no US. Sim, temos excelentes shows, mas geralmente nos canais de cable, n√£o no aberto, onde a programa√ß√£o √© geralmente bem ordin√°ria.

‚ÄĘ

Desisti de assistir Scandal. A 3¬™ temporada perdeu totalmente o sentido com seus subplots e personagens agindo de maneira que n√£o faz sentido, sem falar que eu n√£o aguento mais ver Olivia Pope na sua eterna quest√£o de “Fitz ou n√£o Fitz”.¬† Kerry Washignton e sua express√£o de estressada E estressada todo tempo. Afe. Tentei, mas n√£o deu.

Tonight is the night…

Cosmos! Yay!! Depois de uma semana sem muitas novidades e com muito estresse, hoje √© dia um dos meus programinhas favoritos. Espero que seja t√£o bom quanto o de semana passada, qui√ß√° melhor. ūüėČ

Cosmos

A cada novo cap√≠tulo de Cosmos, fico impressionada ao aprender coisas que n√£o sabia ou simplesmente tinha esquecido. No √ļltimo epis√≥dio, a hist√≥ria de Issac Newton e Edmund Halley me comoveu: como um homem, neste caso Halley, batalhou tanto para trazer o conhecimento do amigo a tona, al√©m da sua intelig√™ncia fenomenal.

Cosmos

Foi na minha opinião o melhor episódio até o momento e a história dos personagens, assim como a grandeza de seus estudos, me tocou profundamente.

Meh…

Eu gosto de assistir o show Real Time with Bill Maher porque os convidados são geralmente inteligentes, interessantes e com frequência conheço bons escritores, documentaristas, etc. O problema é que Bill esta ficando mais chato a cada ano que passa. Eu sei que ele é o host, mas tirando a intro que geralmente é engraçada, ele fala demais e ás vezes fala do que não sabe.

Lembro bem que fiquei surpresa quando ele falou sobre SOPA e como n√£o fazia id√©ia do que estava se passando. Depois daquilo ficou imposs√≠vel levar o que ele fala a s√©rio, pois sempre questiono que se ele estava t√£o mal informado sobre um t√≥pico que nem era t√£o dif√≠cil, o que dizer sobre outros mais s√©rios e nuanced? Fora a mania de bancar o advogado do diabo, parece para mostrar “olha, eu sou capaz de ver o outro √Ęngulo deste argumento”, uma coisa que era t√≠pica do meu ex-marido e que me irritava profundamente, porque sempre vem acompanhado daquele ar de superioridade de “voc√™ √© radical e eu sou cool”. Qualquer pessoa com um pouco de cultura e intelig√™ncia sabe analisar os √Ęngulos de uma hist√≥ria, mas em alguns momentos ela n√£o tem espa√ßo na discuss√£o.

Esta mania de que se voc√™ vai falar alguma coisa, o lado oposto tem que comparecer nem sempre tem lugar n√©? Ali√°s, esta semana li sobre como os creacionistas querem espa√ßo no seriado Cosmos, para criar um debate balanceado!! Parece piada, mas n√£o √©. Ei, tive uma id√©ia: que tal os ate√≠stas terem um espa√ßo nos serm√Ķes religiosos para oferecer o outro lado da hist√≥ria e balancear a conversa? N√£o √© uma boa id√©ia? ūüėČ

Enfim, me perdi do tópico. Vou continuar assistindo pelos convidados, mas bah, vamos ver até quando.