Cinema ou TV?

Em 2013 eu li Difficult Men: Behind the Scenes of a Creative Revolution: From The Sopranos and The Wire to Mad Men and Breaking Bad, um livro que revela como alguns shows de TV ajudaram a televisão a cabo a emergir como forma de arte no século XXI.

O livro é muito bom e, entre outras coisas, explica como o domínio do cinema é do diretor, enquanto na TV quem tende a comandar é o escritor. Pense nos seriados The Wire, The Sopranos, Mad Men e The Shield, na qualidade do script e em como esses shows pavimentaram o caminho para shows mais recentes com qualidade 10: True Detective, Westworld, House of Cards, Stranger Things só para citar os que me vieram a mente neste minuto.

Enquanto vemos mais e mais seriados excelentes no Netflix, Hulu e HBO, Showtime, o que esta acontecendo no cinema? Os grandes diretores com orçamento pré-aprovado continuam produzindo excelentes filmes, mas de maneira geral estamos sendo assolados por filmes a) de péssima qualidade criativa ou b) de super heróis.

Sim, eu assisti Wonder Woman e gostei muito, mas só de olhar os summer blockbuster e não ver nada que me dê vontade de ir o cinema é uma tristeza. Sou uma criatura do cinema, durante toda minha vida me acostumei a ir pelo menos 1 vez por semana e agora não ter vontade nem curiosidade em checar um novo filme é muito, muito triste.

Assisti vários filmes nestes últimos meses que me deixaram sem reação: Sully (meh), Deepwater Horizon (meh), A Cure for Wellness (tanto potencial, bela fotografia, mas script que derrapou do meio para o fim e não se recuperou), The Mummy (muito ruim), Life (ruim prá xuxu), Ghost in the Shell (bonito e só), The Accountant (péssimo), The Girl on the Train (péssimo), Assassin’s Creed (meh) e a lista goes on and on de filmes que vão de passáveis a péssimos, filmes com gente de calibre, tanto na direção quanto nos papéis principais e fico me perguntando o que foi que deu errado para produzirem um filme de qualidade tão questionável.

Sim, eu sei que o mercado cinematográfico visa o lucro puro e simples. Cinema é investimento: te dou U$100 milhões para fazer um filme, quero que ele retorne pelo menos U$400 milhões. Conseguir investimento para alguma coisa fora do normal, só se você fizer parte do grupo seleto de diretores com crédito pré-aprovado (aqueles de renome que ninguém ousa contradizer porque os caras já provaram que sabem o que estão fazendo). Maesmo assim, ver filmes que tem tudo para dar certo e mesmo assim, acabam sendo uma pilha de lixo, putz, é bizarro.

Claro que ainda aparece um ou outro filme que surpreende positivamente: Get Out (muito bom e engraçado), Arrival (uma bela surpresa), Elle (sensacional, um dos melhores filmes que vi nestes últimos tempos) e Personal Shopper (atmosférico, diferente, me fez pensar bastante) são os que lembro de imediato.

Felizmente cada vez mais temos qualidade nas séries de TV, que podem ser desenvolvidas por vários episódios dando profundidade aos personagem, além da liberdade criativa -pelo menos nas plataformas que citei- de produzir algo que sai do caminho batido que conhecemos.

Enfim, espero que a qualidade dos filmes consiga se recuperar, mesmo que eu seja testemunha do declínio que já vem acontecendo a alguns anos. Pelo menos posso dizer que estou feliz com a qualidade das séries de TV que estão sendo produzidas a cada ano que passa.

Empatia em baixa

Ontem assisti um vídeo no Youtube onde um gringo falava de maneira superficial sobre alguns políticos americanos (Bernie Sanders é um deles, o mais vocal) em busca de um salário mínimo de U$15/hr, e pedia para as pessoas deixarem suas opiniões nos comments.

Bom, vale lembrar que se o salário mínimo fosse ajustado de acordo com o standard of living americano deveria ser de U$21.16/hr. Ou seja, U$15 ainda é pouco, mas com certeza é bem melhor do que os U$7.25 em vigor em alguns estados.

Qualquer pessoa com um pouco de bom senso concorda que sim, claro, devemos exigir melhores salários. É impossível sobreviver dignamente ganhando tão pouco, ainda mais quando sabemos que companhias como o Walmart e outras gigantes da indústria fast-food tem uma margem de lucro astronômica e seus CEOs ganham infinitamente mais do que seus funcionários. Uma melhor distribuição dos lucros é o mínimo que deveríamos esperar de uma sociedade que busca o bem dos seus cidadãos, certo?

Para minha surpresa, a grande maioria das pessoas (o canal é direcionado a jovens de 16-24 anos) nos comentários se mostraram CONTRA: “se aumentarem o salário, vão robotizar tudo” (isso já esta previsto para acontecer nos próximos 5/10 anos, independente do aumento do salário mínimo); “é injusto eles ganharem 15 dólares quando eu fui para a faculdade e ganho apenas 14 como desenhista e ilustradora” (eu avisei que ela era underpaid e não deveria aceitar tal salário já que tinha faculdade); “minha mãe ganha apenas U$7.25, não acho justo outros ganharem mais” sendo que a mãe dele também seria beneficiada com a mudança…

Enfim, um verdadeiro shitty-show de opiniões que demonstram nenhum bom argumento contra o aumento de salário (tenho certeza que existem bons argumentos, só não os encontrei ali) mas esbanjam uma raiva inexplicável daqueles que eles consideram “piores”, que no caso são pessoas que trabalham em fast-food fritando hambúrgueres ou nos walmarts da vida, por exigirem melhores salários mas serem “preguiçosos” e não irem em busca de melhores empregos.

Poucos foram os comentários que citaram os salários milionários, ou como melhores salários aquecem a economia (as pessoas gastam mais quando ganham mais), ou que a robotização é inevitável, ou que os salários estão estagnados, e os poucos que fizeram essas observações, como eu, foram prontamente ignorados. É aquela sensação de “saia daqui com seu bom senso, me deixe com o que eu SINTO ser verdade“.

Fiquei abismada com a miopia (falei aqui no post de ontem sobre o documentário de Noam Chomsky), mas não totalmente surpresa. Além da miopia que os impede de ver que possivelmente seriam beneficiados pelas mudanças, existe a falta total de empatia com o outro ser humano, aquele desejo básico de que todas as pessoas possam ter uma vida decente e um trabalho que supra pelo menos suas necessidades básicas. O outro é muito abstrato, muito distante, “não tem nada a ver comigo”.

Parece até a desumanização do outro, um lance que fazem com os soldados quando eles vão a guerra para não sentirem culpa por estarem matando outros seres humanos: o outro não é como eu, o outro me detesta, o outro não respeita as mesmas coisas nem tem os mesmos valores que eu, logo, se for aniquilado eu não me importo.

É assustador perceber isso, mas o lado positivo é que sabendo o sintoma, é mais fácil ficar imune a essa lavagem cerebral, ao mesmo tempo que podemos ser os agentes de cura, tentando apontar onde as falhas de lógica e percepção estão acontecendo. E torcer para que tenham curiosidade o suficiente para tirarem as vendas e olharem os outros como iguais.

CIA, Trump e Russia + Guccifer 2.0

Depois da bomba do Washington Post de sexta-feira a noite sobre a CIA confirmar a possível participação da Russia como “mandante” do hacker que penetrou os servidores do partido democrático, passei boa parte da manhã de sábado lendo os relatórios da Crowdstrike (aqui e aqui) sobre o hackers e as explicações detalhadas do ocorrido no blog da ThreatConnect, aqui e aqui. Se você curte net security, é uma leitura fascinante. Super recomendo.

As partes mais chocantes de todo este cambalacho descrito no artigo da WaPo foram 1) a recusa de alguns republicanos em aceitar uma investigação em conjunto com os democratas e 2) a administração do Obama simplesmente rolar para o lado e sair do caminho. Ele é o Presidente e se existia uma suspeita de que os sujeitos queriam interferir com as eleições, uma vez que os republicanos se negassem a participar, ele deveria ter dado inicio a investigação mesmo assim.

C’mon, o que os republicanos iam fazer, bloquear alguma medida que ele ainda queira passar? Há! Chamar ele de traidor, muçulmano, ou sei lá o que mais? Na minha modesta opinião foi um show de fraqueza sem tamanho, de “vamos deixar como esta para ver como é que fica” e olha ai a caca toda vindo a tona agora. Sexta-feira Obama pede uma investigação que deve ser entregue até o outro fazer o juramento. Ah tá, como se o resultado desta investigação não vai ser totalmente enterrado pela próxima administração.

Enfim, Twitter estava pegando fogo no sábado com a notícia, pensei logo “agora vai heim”, as pessoas estão revoltadas e vão exigir explicações, de repente até o partido republicano vai cair matando em cima do cara de fuinha Mitch McConnell que foi veementemente contra a investigação proposta por Obama, mas hoje vejo que a coisa já está mais calma do que eu gostaria: Trump já fez seu show & dança, xingando CNN no sábado por coisas que Kellyanne falou no ar, mas como as pessoas meio que ignoraram, ele veio hoje (domingo) e fala que não vê nada errado em romper com “One China” e pronto, todo mundo sai cobrindo a nova abobrinha que o cara fala.

Total déficit de atenção da mídia que parece que ainda não aprendeu que ele faz isso para desviar a atenção daquilo que lhe incomoda. Ele ainda não tomou posse, então pode falar milhares de abobrinhas, mas assim que sentar a bunda no oval, vai mudar o tom, a gente sabe disso. O cara não sustenta de pé o que fala sentado! Claro que a China esta de orelha em pé, mas não vai fazer nada até ele tomar posse e ver o que ele vai realmente fazer.

Acredito que no momento o que mais precisamos é de foco: se não mantermos o olho na bola, ele e sua administração vão usar de todas as manobras para manter a gente distraído com bobagem, enquanto as perguntas e questionamentos sérios vão caindo bellow the fold.

Sei que isso é um rant, mas esta difícil de ver tantos profissionais que respeito mais perdidos do que criança em festinha de Halloween. Sem falar, claro, dos jornalistas que estão me surpreendendo com sua fixação em negar uma possível participação da Russia. Eu acho ótimo a gente manter um certo grau de ceticismo até que provas sejam publicadas (eu gostei muito dos relatórios acima, pois explicam direitinho ambos os cenários), mas fica feio continuar batendo o pé na defensiva negando a todo vapor que não é verdade. Pode ser que sim, pode ser que não, vamos esperar as provas é uma posição perfeita. É mentira e vocês são babacas por estarem cogitando isso é nada profissional, o tipo de comportamento que eu espero de jornalistas da Globo, não de jornalistas inteligentes e engajados. Um pouco chocada em ver isso, mas afinal, somos todos humanos né?

Bom, vamos ver como isso vai se desenrolar esta semana. Espero que com o passar do tempo a mídia páre de cobrir cada twite rídiculo deste senhor e volte a focar no que importa.

Suicide Squad (2016) – Resenha

Depois de meses, finalmente decidi assistir Suicide Squad, e na boa, sem querer ofender os fanboys e fangirls out there, seria melhor se eu não tivesse assistido. O filme é muito ruim. Os personagens são de papelão, e por isso não dá para exigir que os atores façam milagre com o conteúdo.

Achei um cacete os vilões toda hora ficarem lembrando a audiência de que eram os caras ruins. C’mon! Um personagem bem escrito, vilão ou não, mas com profundidade e humanidade faz o público simpatizar e torcer por ele.

Suicide Squad (2016)

E tem aquelas coisas que não fazem sentido, como no caso do Joker com Harley Quinn: por que fazer um caso de amor quando nós sabemos via comics que o relacionamento deles é totalmente fucked, que Joker é incapaz de sentir amor e Harley é só um acessório. A vibe “amor-romantico” que o diretor criou foi péssima.

Will Smith, eu gosto de Will, mas na minha opinião ele estava como sempre esta em seus filmes: um cara preocupado com seus filhos. Nem de longe ele parece um assassino profissional, frio e calculista. Never, jamé.

Teve o personagem australiano que eu não consegui entender 50% do que ele falava, além dos outros coitados: Viola Davis muito mal aproveitada; Joel Kinnaman duro como um pedaço de pau e Cara Delevingne que também não convenceu, mas até ai, a culpa destes atores não terem desenvolvido nada que valha a pena foi provavelmente do script.

A conclusão que eu cheguei é que qualidade esta virando coisa do passado. Os studios lançam esses blockbusters várias vezes ao ano, fazem um hype gigantesco, sempre com super heróis e vilãos que são queridos por uma grande maioria e pimba, dobram o investimento com um produto mediocre. E ano que vem, rinse & repeat.

Tô meio cheia de filmes assim. Pelo menos não gastei uma fortuna para ver essa droga no cinema…

Veredito: se não viu, não perca seu tempo, é uma pilha de estrume fumegante.

Sou ou não sou o que penso que sou?

Terminei o curso de psicologia da Yale e confesso, ele abriu novos horizontes. O professor Paul Bloom é excelente, cativante, faz a gente se interessar naquilo que ele esta dizendo, e tive grande insights durante o curso. Um deles foi perceber o quão importante é tentar ter uma visão mais real de si e das situações em geral. O professor confirma aquilo que a gente já desconfiava quando diz a que não nos percebemos realmente.

Quando fazemos uma cagada, ah, estamos tendo um dia ruim, demos azar, alguém puxou nosso tapete, enfim, não somos bestas, foram as circunstâncias. Quando outra pessoa faz uma cagada, putz, que pessoa idiota, cretina, não sabe nada, é um imbecil mesmo. E por ai vai: nosso time é o melhor, o outro só tem ladrão e perneta; nossa escola é melhor; nossa idéia é a correta, etc e tal. Percebeu? Somos sempre extremamente generosos com nós mesmos e demasiadamente críticos com os outros.

Ciente disso, frequentemente me pergunto se o que acho correto é realmente correto, e não apenas porque “é meu”. É importante estar atento e ter um grupo de pessoas para ajudar a equilibrar os pratos da balança, de preferência que pensem diferente, já que naturalmente nos cercamos de semelhantes. O problema é achar pessoas que pensem assim e que estejam abertas a troca de idéias.

Final de semana passado passei um par de horas em busca de um grupo/forum/site/blog onde eu pudesse ler uma opinião que fizesse um contraposto a algumas opiniões que tenho. Depois de cavar bastante, achei um site que pareceu ter a idéia certa, debates sobre diversas questões atuais com todos expondo seus pontos de vista. Li alguns textos, que infelizmente citavam muitos “fatos”, mas carecia de fontes, o que é um problema quando os tais fatos são a base da discussão, mas o que me surpreendeu foi quando percebi que no fundo o site não estava aberto ao debate e troca de pontos de vista, mas é uma fonte de ensino para leitores que desejam ganhar um debate. Dicas das falácias a evitar, outras sutis a empregar, como minar o outro, soterrá-lo com informações que não podem ser verificada, enfim, era um bê-a-bá de como ganhar um debate.

Eu sei que algumas pessoas precisam aprender o básico de uma troca de idéia, como por exemplo quais são as falácias mais comuns, para que a conversa fique pelo menos no mesmo nível intelectual, mas a parte mais importante de um debate, que é OUVIR, PENSAR e REFLETIR sobre aquilo que o outro esta falando, para depois fazer PERGUNTAS, isso tudo passou batido, já que o plano consiste basicamente em atacar, se fingir de surdo, jogar fumaça para obscurecer e rinse & repeat.

Depois dessa, a impressão que eu tenho é que muitas pessoas não querem ouvir uma opinião diferente, não querem o desafio, o importante é sair por cima. É parecer ser inteligente, sem ser realmente inteligente, porque, convenhamos, uma pessoa inteligente não precisa de listinha de ataque/defesa, já que ela ao ouvir o que o outro esta falando, consegue entender o que esta sendo dito e se for bobagem, vai, obviamente, questionar.

A armação toda me pareceu tão contra intuitiva e focada no ego, que pensei no professor Bloom. O importante é preservar a noção de que se é melhor do que o outro, o sentimento de superioridade. O debate, o possível crescimento, o conhecimento, isso tudo não tem a menor importância. É decepcionante ver tanta gente que poderia estar aprendendo a pensar, mas esta interessada em seguir receita para manter o ego intacto e suas opiniões engessadas…

Mídias socias e Eu

Uso internet desde 1995, e de lá para cá, muita água já passou por debaixo desta ponte. AMO internet e tecnologia com todas fibras do meu ser, e lembro direitinho do meus primeiros anos “surfando” na net, via telefone e modem de 4800, conversando com pessoas via IRC. Era sensacional, novo, um “barato” poder trocar idéias com pessoas do outro lado do mundo em tempo real. Isso foi bem antes das indagações e classificações começarem, tipo A/S/L (idade, sexo e localidade) que ficaram populares em chats de sites como o UOL e Terra, muitos anos depois.

Lembro dos amigos que fiz no The Palace, um site de chat com um visual gráfico, com “salas” onde podíamos entrar e conversar com os outros ocupantes, todo mundo representado por um avatar bem tosco.

Palace Chat

E o tempo que levada para carregar uma imagem ou .gif animado no Netscape Navigator? E o logo do Netscape que era animado? A alegria de instalar o browser CyberDog da Apple em 1996, mas descobrir que não era tão bom quanto o Nestcape…

Netscape Navigator

E quando comecei a blogar, em 1999, usando o fresquinho Blogger, mas que naquela época não me dava as opções que queria, o que me levou a instalar o Greymatter de Noah Grey no meu Dreamhost, até mudar para o Movable Type no final de 2001, que usei até conhecer o WordPress em 2003 e que se tornou o meu CMS até os dias de hoje.

Netscape Navigator

Naquela época não existia monetização. As pessoas blogavam porque tinham vontade de se conectar com as outras pessoas e muitas vezes, dividir o que sabiam. Foi uma época maravilhosa, onde o senso de comunidade era super presente. Quando Google deu a opção de monetizar os blogs com o adsense, eu torci o nariz: da mesma maneira que não gostava de entrar num blog e vê-lo poluído com anúncios (muita gente não tinha noção e os guidelines eram abusados frequentemente), decidi não fazê-los nos meus blogs. E como era de se esperar, quando $$$ entrou na jogada, as coisas mudaram.

Durante muitos anos blogar foi o supra sumo da internet, até a monetização se expandir para o YouTube: daí as pessoas optaram pela simplicidade de gravar videos, muita vezes com seus celulares, e ganhar uns trocos, e blogar caiu em desuso.

Bom, de lá pra cá sabemos bem o que aconteceu: Facebook explodiu, smart phones também e a década do EU se estabeleceu com força total. Esses últimos 6 anos tem sido interessantes, mesmo que frustrantes. Blogs, a não se que tenham um nicho, estão praticamente mortos; canais no YouTube sem substância tem milhões de inscritos, enquanto canais bons não registram no radar; Instagram virou a central universal do umbiguismo; Facebook é o local para ler textão cheio de erro gramatical e perder toda fé na humanidade com as respostas rasas e imbecis; Twitter é onde tudo acontece em 2ª mão, com muitas cabeças pensantes que se expressam divinamente em 160 caracteres, mas onde tem também muito lixo; Reddit tem lixo também, mas é onde tudo acontece em 1º lugar e de onde grandes jornais e TVs pescam suas matérias. Reddit esta integrado a minha rotina e é em disparado minha social media favorita.

E os outros? Google+ é café com leite: gosto, pois me lembra um pouco Orkut, e é por lá que eu escolhi postar as imagens do Naftalina. Flickr é muito bom, uso sempre, tanto para postar fotos quanto para ver o que as pessoas que eu gosto estão postando. Eu acho o Flickr uma fonte de inspiração sensacional. Pinterest é okay, mas não me interessa muito. Snapchat e What’sUp, neh, tô fora, não tenho interesse nenhum. Periscope é legal, mas sub-aproveitado na minha opinião. Linkedin é boring para cacete, o Facebook dos carreiristas, é essa a impressão que tenho. Tumblr, assim como Flickr é excelente para se inspirar. Coleções sensacionais de imagens, é só seguir as pessoas certas, do contrário, pura rebeldia adolescente e dramalhão. Vine é cool, mas uso pouco. Enfim…

Depois de 21 anos na internet, a sensação que eu tenho é que em muitos aspectos estamos regredindo. As comunidades estão se segregando em seus nichos; a quantidade de lixo é tão grande que tanto no Youtube quanto no Twitter, tenho dificuldade em achar pessoas ou canais interessantes para seguir. Sites, nem se fala, quase impossível achar um site legal se não for indicado por algum conhecido.

E tem o lance da retenção. As mídias socias querem que o usuário passe o maior tempo possível no seu serviço, mesmo que para alcançar esse objetivo eles te tratem como bebezinho. Google filtra tudo e só mostra o que ele acha que você quer ver. Facebook faz a mesma palhaçada, por isso parei de usar Google como meu search engine (uso DuckDuckGo) e Facebook can suck my ass, porque só entro lá 3 vezes ao ano. FB é odioso e a apatia com que seus usuários continuam a usar a plataforma é assustadora.

E já que entrei nesta viela, os algoritmos do YouTube gostam de empurrar lixo que ele entendeu como BOM, toda vez que logo tenho que clicar que não estou interessada na sugestão de vídeo/canal bostinha, porque ele não entendeu das outras 32 vezes que eu cliquei “não estou interessada“. Isso acontece porque ele entende por “bom vídeo” aquele que além de ter milhões de views, é visto na integra. Não YT, não quero ver o video de Camila Pitanga desesperada. Sim, o vídeo tem mais de 6 milhões de views e de tão curto, provavelmente tem view retention de 100%, mas não é um vídeo BOM!

Na boa, tem muito conteúdo bom no YT: criadores excelentes, tutoriais fantásticos, web séries de humor, mas eu não vejo a hora de aparecer um concorrente e as pessoas começarem a usar outra plataforma. Porque o melhor do YT são os criadores que colocam conteúdo de qualidade. Sem eles, YT vai pro saco.

Enfim, eu sei que pra grande maioria, tudo isso é muito novo. Mais uns 10 anos e as coisas devem estar num patamar melhor. Mas para quem esta usando a net a mais de 20 anos, eu imaginei que neste ponto a gente estaria num local melhor do que estamos em todos os fronts, e principalmente mais unidos pelas nossas semelhanças do que separados pelas nossas diferenças.

Paciência e esperança é o que preciso.

Semana de horror

Estou dando um tempo das mídias sociais, principalmente Twitter. Com tanto horror que aconteceu esta semana, seja no Brasil, no US, e enfim, no mundo, a impressão que tenho é que cada vez que uma tragédia ocorre as ratazanas saem dos escombros para vomitar seu ódio.

Que horror o que aconteceu em Orlando! E claro, com os corpos ainda quentes e detalhes do ataque nebulosos, vem o babaca mor, trump, dar pitacos, com sua xenofobia e narcisismo que eu simplesmente não tolero mais. E Venezuela, um caos total: imagine não ter comida para comprar? E o assassinato sem sentido da parlamentar britânica Jo Cox, e claro, a crise no Brasil: corrupção, Rio de Janeiro quebrado, corrupção.

Ler notícia hoje em dia é pedir para passar raiva, nojo, apreensão e tristeza e ter a confirmação de que o ser humano é capaz das piores torpezas. Sempre faço o equilíbrio: penso nas pessoas que estão fazendo coisas boas, que estão ajudando as pessoas desfavorecidas, que estão lutando por um mundo melhor, que estão tentando trazer um pouco de luz a esse porão escuro.

Tenho certeza de que são milhares de pessoas distribuindo ajuda e apoio ao redor do mundo, mas assim como Jo Cox, uma mulher que lutava por coisas corretas e pelo little guy, são pessoas que nunca ouvimos falar porque só o que importa para a mídia são os vômitos raivosos de tipos como trump. Gente decente fazendo a coisa certa não dá ibope.

Sobre Brasil, me surpreende como a população ainda não se rebelou de maneira violenta contra todas as coisas erradas que permeiam a nação. Sou contra toda e qualquer violência e acredito que a melhor maneira de mudar a sociedade é mudando a nós mesmos. “Seja a mudança que você quer ver no mundo” disse Gandhi.

Porém mesmo acreditando na paz, chega uma hora em que é difícil controlar a bílis e a vontade é sair no braço. Taí a necessidade do auto-controle e do step back. Eu pessoalmente não quero sair no pau com os políticos canalhas, mesmo passando muita raiva ao ver a cara deslavada de muitos que “mentem que nem sentem”. Gostaria que a justiça fosse feita e que eles tivessem a pena merecida por fraudar mais de 200 milhões de brasileiros. Mas infelizmente justiça no Brasil é uma quimera. E a decepção acumula, se junta a raiva. E esse sentimento internalizado acaba me fazendo um mal danado: insônia, irritabilidade, sentimento de impotência, falta de apetite, tristeza. Engolir sapo não é fácil.

Enfim. Que semana de horror! Que mês de horror! Arrisco até a dizer, que ano de horror.

Brasil, Impeachment e Eleições

Domingo assisti a votação do impeachment que esta acontecendo no Brasil. Dizer que fiquei desapontada com a maioria das coisas que ouvi é pouco. Fiquei horrorizada com a falta de decoro, a ausência de sobriedade e o grave display de “vale tudo” demonstrado pela esmagadora maioria. Quase todos citando deus, falando da família brasileira (?), outros urrando contra a corrupção mesmo com processos de corrupção nas costas, uns segurando plaquinha de “tchau querida” que já seria de péssimo gosto num estádio esportivo, e que absolutamente não deveriam estar num momento sério como a votação de um impeachment. Isso sem falar nos dois, pai e filho, que “bateram continência” a um conhecido torturador e ao ano de 1964 e o que ele representa na história do Brasil. Onde eu esperava compostura e lucidez, vi exatamente o contrário.

Alguns podem dizer que Brasil é isso mesmo, que estou sendo ingênua, que é claro que os políticos iriam usar aqueles 15 segundos para aparecer e fazer da votação seu trampolim. Podem dizer também que é óbvio esses políticos se comportarem assim, eles são o espelho da sociedade e basta olhar ao redor para confirmar isso. Ou para sedimentar ainda mais os prejulgamentos, dizer que esses sujeitos foram eleitos pelo povo, então aquela máxima se encaixa: o povo tem o político que merece.

Embora muita gente pareça ter entrado num transe hipnótico que lhe impede de compreender o outro, ignorando tudo que não for de acordo com aquilo que já decidiu ser a verdade, eu acredito que tem muito mais gente esclarecida hoje do que no passado. Excluindo os religiosos extremistas com os quais não consigo conversar, constantemente me deparo com a lucidez e compreensão do “estado das coisas” de pessoas que carregam nas costas a culpa de, supostamente, terem dado seu voto a tantos políticos canalhas.

Mas foi surpreendente descobrir que, daqueles 513 de domingo, apenas 36 se elegeram com seus próprios votos e todos os outros foram “puxados” pelas suas chapas. Eu não sabia destas tecnicalidades, mas aprendi num artigo no site da Agência Câmara Notícias que funciona assim, e eu cito:

“Com 1,52 milhão de votos, Russomanno foi o deputado mais votado de São Paulo e “puxou” quatro candidatos para a Câmara: além de Fausto Pinato, ele ajudou a eleger o cantor sertanejo Sergio Reis (45,3 mil votos); Beto Mansur (31,3 mil) e Marcelo Squasoni (30,3 mil). Todos são do PRB, já que o partido não fez coligação.

O segundo colocado em São Paulo, deputado Tiririca (PR), teve pouco mais de 1 milhão de votos e elegeu sozinho dois deputados, além de si próprio: Capitão Augusto (46,9 mil votos) e Miguel Lombardi (32 mil), ambos do PR, que também não se coligou.”

Ficou claro que com este “sistema proporcional” muitas pessoas se elegem com um número de votos inexpressivo, enquanto outros que receberam maior número de votos não se elegem. Por exemplo, o deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB) recebeu 106,6 mil votos em São Paulo, mas não foi reeleito. Já o candidato Fausto Pinato (PRB) foi eleito com 22 mil votos por causa da votação expressiva de Celso Russomanno, do mesmo partido.

Isso mostra que se você entra numa chapa com um deputado forte e/ou muito conhecido, que vai ganhar muitos votos (por exemplo, Tiririca), pode se eleger porque é “puxado“, mesmo que tiver 10 mil votos. Se eleger assim é relativamente fácil, já que você não precisa nem convencer milhares de pessoas a votar em você: o que é preciso é usar a cabeça, as amizades e conecções feitas ao longo dos anos de puxa-saquismo, fazer bons conchavos e entrar numa chapa vencedora.

Brasil, Impeachment e Eleições

Hoje fui linkar o artigo original no site da Câmara e, surpresa!, ele foi EDITADO. Até mesmo o título do artigo mudou de “Apenas 36 deputados se elegeram com seus próprios votos“, que você pode ver ainda consta na URL da página para “Eleição para a Câmara dos Deputados segue o modelo proporcional previsto na Constituição“. Tiraram os exemplos de Russomano e Tiririca e  colocaram a explicacão do TSE de como funciona a votacão.

Por que mudaram o artigo? Tire suas próprias conclusões…

O importante é lembrar deste fator nas próximas eleições e sempre verificar quem esta na chapa do seu candidato, pois junto com aquele preferido você pode ajudar a eleger um monstro/corrupto/incompetente/cabra safado. É legal ressaltar que a grande maioria destes senhores e senhoras eleitos não estão lá por escolha da maioria, mas sim porque atropelaram outros que ganharam em número de votos, mas perderam na chapa. Arrisco dizer até que eles não são a cara do povo, e afirmo que não merecemos ter no poder pessoas que tão pouco nos representam.

Imbecilidades a Galore

Frequentemente me pego pensando em como uma grande parcela da população é incompetente. Você vai ao banco e o atendente não sabe do que você esta falando, ai te refere ao superior, que também não sabe, que chama o gerente, que finge saber, mas não consegue te dar uma resposta.

Você liga para uma cia de telefonia/tv a cabo/internet/seguradora/insira a cia que quiser aqui, e passa de pessoa em pessoa, sem que nenhuma delas consiga lhe responder sua dúvida. E isso se repete em vários departamentos e campos profissionais.

A verdade é que aquela impressão que eu tinha quando criança de que os “adultos” sabiam do que estavam falando é totalmente falsa. Muita gente esta ai empurrando com a barriga, rezando para não ser descoberto como a fraude que realmente é.

É assustador imaginar que pessoas assim podem estar em posições que vão ditar regras e influenciar o seu futuro.

Para ilustrar, aqui vai o vídeo de uma repórter da CNN que, ao se deparar com uma bandeira preta e branca na Parada Gay, imediatamente achou que era uma bandeira do ISIS, quando na verdade era uma bandeira mostrando variados butt-plugs e dildos.

Eu ri, mas não é engraçado, pois é o perfeito exemplo do tipo de jornalismo (e incompetência) que temos nos dias de hoje.

Good Sunday everybody!

Que semana…

Que semaninha porreta, não? Além de todas as coisas ruims acontecendo no Brasil e no mundo, aqui também não consegui progredir muita coisa por problemas técnicos e pessoais. Tô numa vibe ruim, e fisicamente também não estou me sentindo bem. No fundo uma coisa esta ligada a outra, né. Meh.

Enfim. Espero que semana que vem comece um pouco melhor e seja mais produtiva.

Bom feriado para todos!

Putz… :(

Estou angustiada.

Não sou uma pessoa volúvel. Toda mudança acontece depois de muito estudo e preparação. Levei tempo me preparando psicologicamente para o caso de ter que voltar ao Brasil se não encontrasse um emprego aqui. Coloquei planos antigos in motion, e acho que esses planos são muito bons, pois não apenas são uma oportunidade nova, mas esta envolvido com algo que eu amo fazer. Retomar o projeto antigo me encheu de esperança.

Mas quando estou quase com o pé na porta de saída, recebo um email. Talvez um trampo vá sair. Isso quer dizer que eu tenho que ajustar tudo novamente. E ainda se fosse um trabalho ótimo, eu estaria mais feliz, mas no momento não tenho nem certeza de ser o caso. Pode ser bom, pode ser ruim, não sei.

E meus planos, o projeto, o que faço? Engaveto de novo? Ah…

Meu coração esta apertado, quero chorar, gritar, desaparecer. Estou cansada. 😥