Sou ou não sou o que penso que sou?

Terminei o curso de psicologia da Yale e confesso, ele abriu novos horizontes. O professor Paul Bloom é excelente, cativante, faz a gente se interessar naquilo que ele esta dizendo, e tive grande insights durante o curso. Um deles foi perceber o quão importante é tentar ter uma visão mais real de si e das situações em geral. O professor confirma aquilo que a gente já desconfiava quando diz a que não nos percebemos realmente.

Quando fazemos uma cagada, ah, estamos tendo um dia ruim, demos azar, alguém puxou nosso tapete, enfim, não somos bestas, foram as circunstâncias. Quando outra pessoa faz uma cagada, putz, que pessoa idiota, cretina, não sabe nada, é um imbecil mesmo. E por ai vai: nosso time é o melhor, o outro só tem ladrão e perneta; nossa escola é melhor; nossa idéia é a correta, etc e tal. Percebeu? Somos sempre extremamente generosos com nós mesmos e demasiadamente críticos com os outros.

Ciente disso, frequentemente me pergunto se o que acho correto é realmente correto, e não apenas porque “é meu”. É importante estar atento e ter um grupo de pessoas para ajudar a equilibrar os pratos da balança, de preferência que pensem diferente, já que naturalmente nos cercamos de semelhantes. O problema é achar pessoas que pensem assim e que estejam abertas a troca de idéias.

Final de semana passado passei um par de horas em busca de um grupo/forum/site/blog onde eu pudesse ler uma opinião que fizesse um contraposto a algumas opiniões que tenho. Depois de cavar bastante, achei um site que pareceu ter a idéia certa, debates sobre diversas questões atuais com todos expondo seus pontos de vista. Li alguns textos, que infelizmente citavam muitos “fatos”, mas carecia de fontes, o que é um problema quando os tais fatos são a base da discussão, mas o que me surpreendeu foi quando percebi que no fundo o site não estava aberto ao debate e troca de pontos de vista, mas é uma fonte de ensino para leitores que desejam ganhar um debate. Dicas das falácias a evitar, outras sutis a empregar, como minar o outro, soterrá-lo com informações que não podem ser verificada, enfim, era um bê-a-bá de como ganhar um debate.

Eu sei que algumas pessoas precisam aprender o básico de uma troca de idéia, como por exemplo quais são as falácias mais comuns, para que a conversa fique pelo menos no mesmo nível intelectual, mas a parte mais importante de um debate, que é OUVIR, PENSAR e REFLETIR sobre aquilo que o outro esta falando, para depois fazer PERGUNTAS, isso tudo passou batido, já que o plano consiste basicamente em atacar, se fingir de surdo, jogar fumaça para obscurecer e rinse & repeat.

Depois dessa, a impressão que eu tenho é que muitas pessoas não querem ouvir uma opinião diferente, não querem o desafio, o importante é sair por cima. É parecer ser inteligente, sem ser realmente inteligente, porque, convenhamos, uma pessoa inteligente não precisa de listinha de ataque/defesa, já que ela ao ouvir o que o outro esta falando, consegue entender o que esta sendo dito e se for bobagem, vai, obviamente, questionar.

A armação toda me pareceu tão contra intuitiva e focada no ego, que pensei no professor Bloom. O importante é preservar a noção de que se é melhor do que o outro, o sentimento de superioridade. O debate, o possível crescimento, o conhecimento, isso tudo não tem a menor importância. É decepcionante ver tanta gente que poderia estar aprendendo a pensar, mas esta interessada em seguir receita para manter o ego intacto e suas opiniões engessadas…