Billions

Ontem assisti ao último episódio da série Billions, com o sempre excelente Paul Giamatti e Damian Lewis (ator que ganhou o Golden Globe em 2013 por sua atuação em Homeland) e confesso que já estou triste pelo final da temporada.

Billions

O plot é simples: Chuck Rhoades, advogado geral de NYC decide ir atrás do “rei” dos investimentos, Bobby “Axe” Axelrod, o que resulta em uma interessante batalha entre estas duas figuras poderosas de Nova York, um disposto a tudo pela justiça e o outro que não vai medir esforços para se safar. Jogue no meio deles a esposa do advogado, Wendy Rhodes (Maggie Siff) que trabalha como psicóloga na firma de Axe, e a mistura de poder, dinheiro e vaidades promete.

A séria mostra os bastidores do poder político, assim como o dos escritórios de investimentos. Salvo 2 episódios que não me conquistaram lá pelo meio da temporada, eu adorei a série como um todo, porque além do cast fantástico e no ponto certo, o script é fluído e mostra personagens humanos: ninguém é 100% bom, nem 100% mau, são uma mistura de ambos dependendo da situação em que se encontram.

Billions

Um dos criadores da série é Andrew Ross Sorkin, autor do livro Too Big To Fail (Grande Demais para Falir) onde ele descreve como se deu a maior crise financeira desde a Grande Depressão e revela detalhes de como as decisões tomadas em Wall Street ao longo da última década lançaram as sementes para o que aconteceu em 2008. Ou seja, o cara sabe do que esta falando.

Super recomendo a série para quem gosta de boas atuações e dos bastidores do poder.