The Girl on the Train (A Garota no Trem)

Terminei de ler The Girl on the Train (A Garota no Trem), de Paula Hawkins. Eu não costumo ler os livros que fazem parte da lista de mais vendidos do NYT porque geralmente não são o que há de melhor para ler (prefiro as dicas no NPR), mas acabei pegando este livro pra ler e olha, que arrependimento. A premissa é até boa mas faltou algo mais.

A Garota no Trem

Rachel pega o mesmo trem todas as manhãs. Todos os dia ele para num sinal que lhe permite assistir diariamente o café da manhã de um casal, a quem ela apelida de “Jess e Jason”. Ela imagina que a vida deles é perfeita. Não muito diferente da vida que ela recentemente tinha antes do seu divórcio e de ser tornar uma alcoólatra.

Um dia ela vê algo chocante. E a partir dai as coisas começam a acontecer.

Bom, parece interessante né, mas com o passar dos acontecimentos a impressão que eu tive foi: 1) não gosto nem um pouco destes personagens, o que parece ser um trend (desde Gone Girl) que esta virando moda; 2) não tenho problema com personagens desagradáveis, desde que sejam bem construídos e envolventes, o que sinceramente, não senti aqui; 3) existe a premissa de suspense e do famoso “quem foi?”, mas a resposta é bem óbvia se você parar para pensar; 4) os personagens femininos são basicamente uma só mulher dividida em 3 e 5) o livro tem tantos momentos bizarros que eu me peguei mais de 1 vez balançando a cabeça de um lado para o outro, pensando em qual livro eu deveria estar lendo ao invés deste.

O livro não é péssimo, mas é chatinho, deprimente e não oferece nenhum prazer ou satisfação no final. Não recomendo.