Archive | fevereiro, 2010

A Ilha do Medo (Shutter Island), 2010

Posted on 28/02/2010 by in Sessão de Cinema

Depois de muita espera (o filme era para ter sido lançado ano passado, só saiu agora em fevereiro), fui assistir ao novo filme de Martin Scorsece, Shutter Island.

Bom, tenho que dizer que o filme é bem noir, tem um visual bonito, Leo esta muito bem no papel do marshall que vai até a ilha investigar o desaparecimento de uma paciente de um hospital-cadeia psiquiátrico. Quem gosta de historinha de detetive vai adorar, gostei da sensação de “medinho”, mas estava bem claro o que estava se acontecendo. Não os detalhes, porque no twist final tem sempre um detalhe surpreendente, mas estava bem óbvio.

Ainda não decidi se gostei do filme ou não. Se existem elementos que me agradaram, eu me senti ludibriada enquanto via os créditos finais subindo na tela. A trama não é algo que eu esperava de Scorcese e sim de David Lynch. Não consigo vê-lo como um cara que dirige filmes bizarros e dramas psicológicos, mas como o diretor de tough guys movies. Gente, o cara que fez Taxi Driver, Raging Bull, Cape Fear, Goodfellas, Casino! Pode ser puro preconceito meu, não estar preparada para ver alguém tomando um rumo diferente do que eu estou acostumada. Claro que não é um filme horrível, mas resumindo, me decepcionei. No final das contas eu recomendo, pois essa opinião é muito pessoal e você pode sair do cinema sentindo algo totalmente diferente. :-)

Tags: post a comment Comentários desativados

Posted on 27/02/2010 by in Me fez chorar..., Mundo

Acordei com o celular, minha mãe preocupada com a possibilidade de um tsunami na costa do Pacífico por causa do terremoto no Chile. Depois de checar na internet que LA não estava na lista e acalmar minha mãe, mandei um email para um ex que vive no Chile. Espero que ele e sua família estejam bem.

Que coisa horrível este terremoto. E tão recente, mal tivemos tempo de nos recuperar do que houve no Haiti. Essa notícias me deixam prá baixo. Vivo em cima da falha de San Andreas e vez ou outra na conversa com amigos alguém fala sobre quando o “big one” vai acontecer aqui na Califórnia e quando recebemos notícias de Haiti, depois Chile, fica pairando no ar aquela sensação de “poderia ter sido aqui“.

Em 2008 eu experimentei meu primeiro terremoto aqui em LA, magnitude 5.5. Naquela época eu estava morando perto de Downtown, no oitavo andar de um prédio. Em casa, eram 11h40 da manhã, estava na minha mesa trabalhando. A primera coisa que senti foi uma sensação de instabilidade, depois o som dos vidros estalando nas antigas molduras da janela. Achei que era uma ilusão, um caminhão passando na avenida lá embaixo talvez, mas levantei da cadeira e de pé senti o prédio iiiiindo e viiiindo, como uma gelatina. Abri a porta do apartamento e pensei em descer as escadas de incêndio, mas o balanço me deixou sem saber bem o que fazer. A pior parte é que parecia que não ia terminar nunca. Mas parou, claro e imeditamente eu tentei falar com meu namorado. Não consegui, todos os circuitos estavam busy. Apanhei a bolsa, desci pela escada, entrei no carro e fui até a casa dele. No trajeto todo eu estava olhando para as pessoas na rua que pareciam não estar se preocupando com nada, e eu, trêmula, preocupada, com medo, já que a casa dele fica pendurada num morro. Um tremor que tinha feito meu prédio sacudir como uma gelatina Royal poderia facilmente fazer um morro descer abaixo. Quando cheguei vi a casa ainda pregada no morro e ele trabalhando como se nada tivesse acontecido, perguntei se não tinha sentido o terremoto, “ouvi o barulhos dos copos batendo lá me cima, só” foi a resposta. Me achou meio bobinha de estar tão preocupada, mas na verdade foi porque ele estava numa casa, não no 8º andar de um prédio que, mesmo depois do tremor passar, ainda tinha levado alguns segundos para cessar o movimento. Simples física.

Tive pesadelos com o terremoto muitas noites, imaginando que poderia ter sido muito pior, mas foi vendo a maneira desencanada das pessoas face a um acontecimento tão sério que decidi estar preparada para “o grande”: imagino rotas alternativas caso seja pega longe de casa, sempre tenho água, uma lanterna e um apito comigo, dentro de casa já decidi os locais “seguros”, longe dos vidros e janelas, nenhum espelho pendurado nas paredes, uma boa mesa onde eu possa me esconder embaixo e, mais importante, mudei do prédio. Confesso que a idéia de um terremoto esta sempre passando pela minha cabeça, afinal eles acontecem aqui diariamente, mas me sentir alerta de certa forma traz algum conforto, embora eu saiba que é pura ilusão.

Minhas preces vão para as pessoas no Chile.

Tags: post a comment Comentários desativados

LA Noire

Posted on 26/02/2010 by in Games - xBox360, Los Angeles

Vi o trailer e me apaixonei. Pronto, mais um game para adicionar a lista. LA Noire é uma história de detetives que se passa em Los Angeles dos anos 40. Ação e investigação, o jogador tem que solucionar uma série de assassinatos, ao melhor estilo GTA.

LA Noire

Na mesma hora pensei em Raymond Chandler, o mestre do romance de detetives, noir total, femme-fatales, crimes, jazz e uma LA diferente, mais charmosa e interessante. Vai ser bom, pena que temos que esperar até… setembro? Ai. :-(

Tags: , post a comment Comentários desativados

LA – NY

Posted on 25/02/2010 by in Fotos, Los Angeles, New York

A internet é um saco sem fundo, a gente começa num link indefeso  e quando menos espera esta caindo pelo buraco sem fim. :-D

Estava olhando os preços dos lofts em Dogtown (Venice) e acabei indo parar num site com fotos sensacionais de Hugh Holland e a cultura skater de LA. Ah, que nostalgia de um tempo que não vivi…

Dai vi as fotos também geniais de NYC nos anos 78/85 e 86/99, e também bateu aquela nostalgia danada. Pelo menos posso dizer que desta vez a nostalgia foi justificada, já que tive a sorte de experimentar NYC nos anos 90.

Tags: , , , post a comment Comentários desativados

Interview Project

Posted on 24/02/2010 by in Me fez sorrir...

Eu adoro David Lynch. Twins Peaks foi um seriado que me afetou profundamente. Acabei de descobrir atraves do site dele este projeto sensacional chamado Interview Project: a cada 3 dias você pode ver uma entrevista neste site com uma pessoa totalmente normal, como eu e você. Um time de pessoas esta atravessando o USA, entrevistando esses desconhecidos. Cada um contando sua história. Alguns clipes são fascinantes e comoventes.Vale a pena!

Tags: , post a comment Comentários desativados

Wild In The Streets – Garland Jeffreys

Posted on 23/02/2010 by in Me fez sorrir..., New York

Simplesmente amei este video. Old school NYC. Yeah!

Tags: post a comment Comentários desativados

Lindo!

Posted on 22/02/2010 by in Ditado

Todas as cores são amigas dos seus vizinhos e amantes dos seus opostos.
Marc Chagall

.

Para celebrar, baixe o guia de referência de cores no Paper Leaf.

Tags: , post a comment Comentários desativados

Manda Bala, 2007

Posted on 19/02/2010 by in Brasil, Ninguém Merece!, Sessão de Cinema

Sempre que eu vejo um filme ruim, um dilema se instala: escrevo sobre o filme e aviso as pessoas que é uma &^%$! ou simplesmente deixo quieto e nem perco meu tempo? Falar sobre coisas que a gente não gosta pode deixar a gente maus, mas tem coisas que se não falarmos, ficamos maus, com aquilo entalado na garganta. Este filme esta na segunda categoria. Lembro-me quando o documentário “Manda Bala” estreiou aqui em LA num cinema no Bevely Center Mall, um local totalmente insólido, já que é um dos, se não “O”, shopping mais “chic” da cidade. Na época não fui ver porque não curto o local e o filme não me chamou tanto a atenção.

Tempo passou e eis que vejo o filme no Netflix. Beleza, decidi assistir. Primeiro vou dizer que o filme ganhou prêmios, inclusive em Sundance. O motivo eu não compreendi, já que tecnicamente o filme não se destacou em nada e chega mesmo a ser ruim, lento e usou a mesma fórmula que outras centenas de documentários: contar histórias paralelamente, cruzando-as aqui e ali. Nada de especial, nada de inovador e digo mesmo, cansativo. A idéia de usar pessoas para fazer a tradução ao invés do filme ser inteiramente em português com legendas, apesar de ter gerado UM momento engraçado, foi totalmente péla-saco. O diretor disse que não queria que os expectadores perdessem tempo em ler as legendas, por isso os tradutores, foi o que li em uma entrevista. Esse comentário por si só já trae que tipo de público o diretor quer atingir: os preguiçosos que não curtem filme estrangeiro porque precisam ler a legenda.

O tópico escolhido, violência no Brasil, englobando sequestros e corrupção, é sempre uma garantia de prêmio: os problemas que os países menos desenvolvidos enfrentam é uma prova aos superpoderosos de que eles vivem sim num paraíso e nós somos os screwed ups, com nossos problemas e meio de vida selvagens. Enquanto temos que concordar que o Brasil tem mesmo problemas gravíssimos que vão desde a violência cotidiana que atinge todos nós até a corrupção que quebra as pernas de muitos projetos que poderiam ajudar a população, simplificar e generalizar tópicos nunca foi, na minha opinião, uma maneiar de se fazer uma documentário sério.

A parte mais intrigante e que me deixou com a pulga atrás da orelha é que no início do filme uma lengenda diz que o filme não pode ser passado no Brasil? Oh meu deus, por que? Uma pessoa menos informada logo imagina que o diretor mostrou coisas tão medonhas que a censura o proibiu de mostrar os filme nas terras tupiniquins, mas como eu não sou gringa e sei que passa mais violência, corrupção e denúncia no Jornal Nacional do que nos 90 minutos deste filme, fui procurar o motivo. Li em uma entrevista com o diretor disse que estar com medo de ser processado por um dos entrevistados. Como assim, todo mundo que concorda em ter sua imagem veiculada num filme assina um release autorizando o mesmo. Não? Mensagem desnecessária, para gerar um frisson nas salas de cinema.

Enfim, o filme “Manda Bala” é ruim e me lembrou aquele outro filmeco infame, Turistas: algo feito para gringo ver. Preciso dizer mais? ;-)

Tags: , post a comment Comentários desativados

The Runaways, 2010

Posted on 17/02/2010 by in Sessão de Cinema

Durante a semana do Festival de Filmes de Sundance ouvi um burburinho sobre o filme “The Runaways”, que conta como a banda foi formada, o sucesso que as meninas fizeram no Japão etc e tal. Para quem não sabe, a banda The Runaways foi formada por Jona Jett (I love Rock’n'Roll) e Lita Ford para citar as que eu conheço e Cherie Currie -que só recentemente vim a saber quem é- e outras duas garotas. O filme tem as atrizes Kristen Stewart (Eclipse) e Dakota Fanning.

Estou animada para ver o filme porque visualmente acho que vai matar, porque adoro a época que vai ser retratada e girls rock rockz. Se vai ser bom, ai já são outros 500… :-) Veja o trailer e fique com água na boca.

Tags: post a comment Comentários desativados

President’s Day

Posted on 15/02/2010 by in Me fez chorar..., Sessão de Cinema

Hoje é Presidents’ Day, feriadão aqui. Nhé. Se por um lado é ótimo pois o trânsito fica juju-beleza, por outro tive que trabalhar pela manhã. :-(

A tarde fui no California Science Center IMAX Theater, no Exposition Park, assistir The Ultimate Wave Tahiti 3D, estrelando Kelly Slater, o surfista mega campeão mundial.

O filme tem uns 40 minutos (talvez um pouco mais) e conta como os surfistas, sempre em busca da onda perfeita vão para Teahupo’o, onde encontram tais ondas, mas surfando correm o perigo de serem esmagados nos reefs. Entre debates de surf como competição ou simples hobbie, explicações de como tais ondas de formam e um pouco da história do Tahiti é difícil não ser engolido pela força visual. Falei que é 3D? Gente, melhor só se estivesse lá.

A fotografia é linda e em dados momentos eu senti os olhos cheios d’água vendo tanta beleza e sentindo que ás vezes vivemos estressados com coisas que não querem dizer nada, quando na realidade deveríamos estar preocupados em preservar locais mágicos como este para os pequeninhos que estão por vir. É interessante como diante de tanta beleza a gente se rende: na fileira abaixo um pai de família com duas meninas e a esposa se derramou inteiro de chorar, o que também me comoveu, claro.


Não sei se este documentário vai passar ai no Brasil (sinceramente espero que sim), mas se passar eu recomendo.

Tags: , post a comment Comentários desativados

Carnaval

Posted on 13/02/2010 by in Brasil

Ano passado eu estava no Brasil passando o carnaval numa cidadezinha do interior de São Paulo, vendo amigos e assistindo os desfiles das escolas pela TV. Depois de quase 5 anos sem ir ao Brasil, aquela visita foi como se apaixonar novamente. O Brasil é lindo demais. Lembro de emoção vendo os desfiles, imaginando a energia de estar ali, naquela massa humana que pulsa sincronizadamente, vendo a beleza e a riqueza estampada no rosto das pessoas. Riqueza de alegria e de esperança, já viu povo mais esperançoso do que brasileiro? Leva porrete, sofre, se desilude, mas chega carnaval, mete a fantasia e vai sambar. Pelo menos nesses poucos dias de fevereiro decide brilhar, dançar, se esbaldar. Imagina se um gringo faria isso? Não consegue não.

Uns dizem que é por isso que o Brasil não vai pra frente, porque o povo só quer festa. Ora gente, que erro. Veja esse país de 1º mundo, EUA, uma vergonha de corrupção, pobreza e desemprego. Gente que perdeu tudo pela ganância daqueles que só querem $$$. E eles tem carnaval? Tem não. O mais próximo de festa é o dia 4 de julho, dia da independência, onde o pessoal se reune para fazer BBQ (churrasco) no quintal. De hamburguer e linguiça, diga-se de passagem.

Outros descem a línga dizendo que carnaval é falta de vergonha na cara, gente que passa fome para poder comprar uma fantasia e sair na escola do coração. Olhe, cada um sabe o que lhe é importante. Sabe-se lá se eu não tivesse grana nenhuma, morasse no morro e um empreguinho lascado, ia sim querer sair lindona numa escola, toda diva. Maravilhosa! Imaginem? E qual o problema?

Esta na hora, passou até, da gente amar tudo que é nosso. Não deixar de ver os erros, os nossos inclusive, que afligem nosso país e sempre batalhar por algo melhor, mas também ver nossos acertos, nossas maravilhas, nossas belezas, nossas riquezas. E adotar o lema de “vive e deixe viver”. Não gosta, ótimo, mas não azede os outros meu bom. Curta o feriadão em paz, em retiro e deixe os foliões se rasgando na avenida. O primeiro passo no caminho para um país melhor é aceitar a diversificação. E se aceitar.

Bom carnaval para todos! Viva Brasil! Viva!

.

update: fotos lindas do carnaval: Claudio Lara no Flickr e mais fotos do carnaval pelo mundo.

Tags: , post a comment Comentários desativados

Paranormal Activity, 2009

Posted on 10/02/2010 by in Ninguém Merece!, Sessão de Cinema

Paranormal Activity foi o filme de 2009. Um chute no saco dos grandes estúdios: produzido por uns meros U$15.000 (uns 30.000 reais), sem nenhum estúdio envolvido, sem budget para marketing, sem contrato com distribuidoras, sem cinemas em grandes cidades interessadas em passar o filme.

Depois que um grupo de pessoas assistiu, ficaram com um medo danado, falaram para os amigos, escreveram a respeito na net, o filme virou uma febre: todo mundo querendo assistir e “como assim, não esta passando aqui na minha cidade?”. Abaixo-assinado rolando via net, pedindo exibição local (eu mesmo participei do abaixo-assinado) até que explodiu, passando em todos os grandes cinemas das grandes cidades da américa. Eu doida para ir ver, mas com medo, os colegas falando horrores, o namorado de uma amiga com medo de dormir, ela me conta. Nossa! Eu não vou ver não.

Passou o tempo e terça passada fiz uma movie night com a C. e a F. Finalmente, Paranormal Activity, o filme que arrecadou mais de U$160 milhões de doláres! Expectativas altíssimas, será que vamos conseguir dormir depois disso? Há! Piada. O filme é uma grande #@!%&. C. ficou com sono, F. não quis massacrar, eu achei um saco.

Aviso: se continuar a ler pode ser que o texto estrague a surpresa do filme.

Paranormal Activity

Não entendo como as pessoas podem ter tido medo daquilo. O namorado é um babaca, que faz exatamente o oposto do que o bom senso manda, continua a “investigar” mesmo quando a entidade claramente esta se fortalecendo do atrito que rola entre o casal (aquele lance do povo correr escada acima quando algo entra pela portas do fundo, sabe? bem ilógico); o “espiritualista” diz que não pode ajudar, chispa fora, hahahaha; a garota não vai procurar nenhum tipo de ajuda e o final, que palhaçada. Impossível ficar com medo de dormir depois disto. Tenhá dó gente! Que histerismo coletivo.

No final do filme ficamos debatendo o que estava errado e uma das meninas mandou bem: é filme prá gringo. Gringo bobo, completo. Como acreditar que um casal vivendo numa cidade grande (San Diego) ia passar por tudo isso sem pedir ajuda?

Se você quer se assustar, recomendo O Iluminado, de Kubrick. Tarde da noite, sozinho no quarto. Isso sim que é filme de medo. :-)

Tags: post a comment Comentários desativados