A Garota de Mônaco, 2008

Ando cansada dos filmes de Hollywood. Clichés e lugares comum, raramente conseguem deixar algo na lembrança, literalmente. Ás vezes vejo filmes tão nulos que depois de 1 semana já não lembro de nada. Por isso tenho assistido muitos filmes estrangeiros via Netflix, que diga-se de passagem, foi uma das melhores opções de fiz ano passado: assinar o netflix que me permite ver quantos filmes online eu quiser, mais 1 DVD por vez ao invés de assinar TV a cabo, que dispensei totalmente.

Na minha mais recente viagem a NYC, entrando no Elaine’s eu e minhas amigas fomos abordadas por um senhor que nos perguntou “este rapaz não parece aquele do seriado XY?”. Quando respondi que não sabia pois não tinha TV em casa, ele se admirou de uma maneira engraçada, repetindo “não tem TV em casa?”. Hahaha. Ah, eu adoro NYC… Enfim, estou divagando… De volta ao Netflix, vi esse filme na queue de outro membro e decidi assistir. Que surpresa excelente!

A Garota de Mônaco conta a história de um advogado (Fabrice Luchini, excelente no papel de advogado excêntrico) que vai a Mônaco para defender uma mulher num crime passional e por se tratar de um caso envolvendo gente com grana e poder, a família o obriga a ter um guarda-costas (Roschdy Zem). A trama se complica quando o advogado cai de amores por uma piriguete (Louise Bourgoin), que já tinha tido um caso com o guarda-costas. A trama é excelente, envolvente e o final do filme, surpreendente. Particularmente eu achei interessante como as linhas paralelas entre o caso que o advogado esta defendendo começam a se cruzar com o que ele começa a sentir quando se apaixona pela piriguete. Recomendo. 5 estrelas!

ps.: piriguete, finalmente achei um lugar para usar essa palavra. 😉