Eu não entendo…

Veja bem, super importante chamar a atenção das pessoas para os Jogos Paraolímpicos que vão rolar em setembro, e dar visibilidade justamente para os atletas envolvidos. Então, por que fotoshopar uma deficiência em pessoas famosas que não são deficientes, quando temos pessoas deficientes que superaram muita coisa e estão ai mostrando ao mundo sua força e talento? Qual a necessidade de esconder os atletas? Eu entendo o motivo das pessoas estarem revoltadas com a campanha da Vogue Brasil e agência Africa.

O que eu não entendo são os responsáveis pela cagada, quando criticados, ao invés de parar, pensar, ver onde e porque se deu o erro e pedirem desculpas, ficam jogando a responsabilidade para outros, num empurra-empurra. De fora, a impressão que tenho é que são um bando de incompetentes que não sabem lidar com críticas. E o profissionalismo, onde está? Agora no Twitter esta rolando que a atriz Cléo Pires disse que as pessoas criticando a foto estão com inveja? Ah pára, vai. Espero que seja boato, pois uma resposta desta seria a cereja neste bolo de merda que eles criaram.

Para saber mais sobre o que estou falando, clique aqui.

The Most Popular Girls in School

Não sei como esta web serie passou desapercebida no meu radar! Comecei a assistir semana passada e estou viciada. Super engraçada, os escritores são excelentes, assim como os voice actors. Super recomendo para todo mundo que deseja dar boas risadas. 😂

Me deu a maior vontade de voltar a fazer vídeos, quem sabe machinimas?

 

TV Shows + Decepção

Sem tempo de assistir novos tv shows, mas terminei UnREAL e olha, que decepção. Estava tudo indo bem, gostei dos primeiros episódios da 2ª temporada, mas lá pelo meio a coisa começou a degringolar de uma maneira que me deixou impressionada.

Nossa! Tudo bem, é um show da Lifetime, um canal americano famoso pelos seus dramalhões ridídulos… Mas quando penso melhor, mesmo levando esse fator “brega e novelesco” em conta, afe, detestei a série do meio para o final. O final em si foi ridículo, parece até que faltou um episódio onde algumas coisas aconteceram e os personagens resolveram certas pendências… Nem sei se vou voltar a assistir caso aconteça uma 3ª temporada, tal foi o bode que eu fiquei…

Mr. Robot - Season 2

E Mr. Robot? Virou uma viagem de LSD, não tem bem como explicar o que esta acontecendo ali. Não estou reclamando, adoro ver Sam Esmail fazendo coisas totalmente inimáginaveis num canal de TV aberta, e aquele throw back foi sensacional. Estou totalmente on board com todas as loucuras. A única coisa é que o plot em si esta parado. Ainda não assisti o espisódio da semana passada, espero que algo tenham finalmente acontecido.

Stranger Things

Sempre bom terminar com coisas boas, né? Stranger Things foi uma maravilhosa surpresa! Fiz um binge watch e acabou tão rápido. Que presente do Netflix, que realmente vem se superando. Amei, amei, amei. Aquela intro, toda aquela vibe, as músicas, nossa, que viagem a minha adolescência… E eu, que sou pouco nostálgica né?… Amei, amei, amei mesmo. A única coisa ruim é ter que esperar 1 ano para ver o que vai acontecer next.

Dando um tempo do Twitter

Eu adoro o Twitter. Sigo pessoas legais e interessantes dos mais diversos meios e quase sempre me deparo com coisas bacanas.  Mensalmente faço uma limpeza na conta, sigo gente nova, páro com aqueles que parecem disco riscado e assim vai. É divertido e pode ser informativo, mas infelizmente percebi que 1) estou perdendo muito tempo no aplicativo e 2) muitas vezes estraga meu humor. Muita coisa ruim ganhando destaque e coisas boas passando desapercebidas. Fora que, como falei, tem aquelas pessoas queridas que parecem um disco riscado. Sempre o mesmo tópico e nunca com uma solução para o problema.

Para poder manter a nossa sanidade mental é preciso dar uma relaxada de vez em quando. Olhar coisas diferentes, ouvir coisas diferentes, dar umas boas risadas e tentar manter a esperança de que podemos sim mudar o mundo. Ficar só na reclamação, dia sim, dia também não vai resolver nada.

Dando um tempo do Twitter

Tem uma coisa que o Gandhi, a madre Teresa ou Thich Nhat Hanh, (não me lembro bem quem, sorry) falou uma vez que eu achei muito bom e desde então eu transformei em frase da vida. Ela é mais ou menos assim: “não me chame para fazer um protesto contra a guerra, me chame para fazer um protesto a favor da paz.” Parece a mesma coisa, mas a diferença é que quando vamos para o lado positivo, em busca de mudança, conseguimos atingir aqueles que pensam como a gente, mas que acham que estão só, e assim eles podem se juntar a nós. Prá que ficar gritando com aqueles que não querem ouvir, que não querem entender? Baita energia jogada fora, ainda mais nestes dias nebulosos em que certas pessoas fazem questão de não entender…

Enfim, o que eu queria dizer é que infelizmente no momento estou sentindo que o Twitter esta muito semelhante a câmara de eco que é o facebook e que posso empregar minha energia em locais melhores e de maneira mais positiva. Então vou tirar um summer break do Twitter. C u soon.

Cheers!

The Tunnel Sabotage (TV 2013- )

Recentemente assisti a 2ª temporada da série The Tunnel Sabotage. A trama se desenrola nas áreas de Folkestone (UK) e Calais (França), as duas cidades que estão ligadas pelo Eurotunel, onde os detetives Karl Roebuck (Stephen Dillane, que você deve reconhecer, já que ele é Stannis Baratheon em GoT) and Elise Wassermann (Clémence Poésy) são chamados para investigar a morte de um político francês. Quando uma descoberta chocante é feita na cena do crime, a dupla é unida em busca de um serial killer que parece motivado por questões políticas.

The Tunnel Sabotage

The Tunnel Sabotage foi inspirado na série sueca/dinamarquesa The Bridge (Bron/Broen no original), que gerou até mesmo uma versão americana. Eu assisti alguns episódios desta versão, com os atores Demián Bichir (que eu gosto muito) e Diane Kruger, mas infelizmente não me cativou e parei no meio da 1ª temporada.

Pois isso não aconteceu aqui, não me desapontei e assisti até o fim. The Tunnel Sabotage é aquele tipo de série que constrói o quebra cabeça aos poucos, um slow burner. Eu gosto deste tipo de programa, dá para criar envolvimento com os personagens, entender melhor as motivações, as nuances, etc. Não é a toa que eu sou fã da série The Wire, outro famoso slow burner onde as coisas caminhavam devagar. Se você não assistiu The Wire e gosta de séries envolventes, super recomendo.

Enfim, toda vez que eu acho uma série que parece focada no personagem, já estou 50% convencida a continuar assistindo. Vale a pena frisar que The Tunnel Sabotage não é The Wire, mas nem por isso deixa de ser bom. A trama é interessante e envolvente, os atores estão excelentes (pelo menos os principais) e estão em harmonia.

Dizem que a série original é com certeza a melhor das 3, e realmente deve ser, já que inspirou outras duas, mas sinceramente não tenho vontade de investir tempo e começar a assistir uma versão onde eu basicamente sei o que vai acontecer. Séries deste tipo tem como a parte mais “polpuda” o mistério e a tensão, e quando sabemos quais as surpresas e onde os ossos estão enterrados, só sobram as atuações, como foi tudo costurado, etc, mas mesmo assim, acho que vou passar. The Tunnel Sabotage é uma boa série e recomendo.